segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Um ano pra ficar na história

Enquanto recomponho as energias num agradável hotel em Curitiba, cidade onde passarei o reveillon, aproveito para fazer uma avaliação do que foi 2009 e também projetar o próximo ano.

Em fevereiro concluí, com a Graça de Deus, o meu tempo de serviço na Polícia Militar. Uma conquista que nunca cheguei imaginar que alcançaria, até por causa das incertezas e imprevistos que cercam a atividade policial.


Foi um momento de muita reflexão. Lembrei-me de várias emoções durante todos os anos; dos amigos que não tiveram a mesma sorte; das coisas que eu poderia elaborá-las melhor; também das muitas realizações que me fazem sentir orgulho da minha carreira. E com uma dúvida cruel: embora com algumas opções a seguir, qual seria de fato a minha ocupação a partir de então?


Recebi alguns convites de trabalho. Uns não me interessaram. Outros, não deram certo. Então, retornei a escrever um livro que já o fazia há dois anos e com pouco tempo de dedicação.


Acostumado a adrenalina, decidi acumular atividade pra ter mais emoção, então iniciei a gravação de um novo CD.


O livro já está finalizado e agora sendo avaliado por uma editora. O CD ficou para Março de 2010, provavelmente, contudo está sendo produzido com tanto carinho e estão acontecendo tantas coisas interessantes que já sei que será o melhor da minha carreira. Espero que gostem.


Em novembro completei cinqüenta anos. Foi muito bom, até por causa da dádiva que é essa conquista. Sinto-me cada vez mais amadurecido e com disposição física para o trabalho. Isso me conduz a grandes projetos.


Com a força e a esperança renovadas, entro nesse novo ano disposto a continuar defendendo as minhas convicções e servindo a sociedade.


Aproveito para agradecer o carinho de todos que acompanham e admiram o meu trabalho e que sempre me incentivam com mensagens fortalecedoras. Tenho certeza que é por isso que ainda me inspiro diariamente no tema das minhas canções, sempre sentindo essa necessidade de valorizar os heróicos profissionais de segurança.


Boas festas e feliz 2010 a todos vocês.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Quebrando barreiras

Estava lendo um debate na internet sobre a causa da desunião entre as polícias e percebi que todos tinham um pouco de razão em suas observações.

Debater o problema é preciso. Mais que isso, trabalhar para que haja união entre os irmãos policiais e estender essa fraternidade aos guardas municipais e vigilantes é uma necessidade urgente. Por uma questão muito simples: com a desunião todos perdemos. Tanto profissionais de segurança quanto sociedade.

Hoje tive uma grata surpresa que veio de Salvador/BA. Lá tem uma delegada da Polícia Civil, de nome Patrícia Nuno, da qual se percebe a primeira vista uma competência estética. Mas, basta um pouco mais de observação em torno do seu nome para descobrirmos que sua beleza é um mero adorno para a excelência de trabalho que vem desenvolvendo naquele Estado. A imprensa local não cansa de enaltecer os seus feitos no combate ao crime, chefiando sua equipe na Primeira Circunscrição Policial do Complexo Policial dos Barris.

Temos um amigo em comum, que é Alex Dias, repórter da TV Record da Bahia. Como admirador do meu trabalho, apresentou-me à Dra Patrícia e também solicitou-me uma camiseta e presenteou à delegada.


Como prova de lucidez profissional e de entender que somos todos irmãos e que devemos lutar pela mesma causa,
na semana passada Nuno vestiu a camisa do Sargento Lago durante uma operação policial. Hoje recebi as fotos e já estou postando aqui pra vocês.





sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Siqueira


Minhas composições quase sempre estão ligadas as experiências que vivo. Uma ou outra escapa disso. A música “Soldado Se Queira”, do Álbum Profissão Coragem, é um desses exemplos.

No início dos anos 90 trabalhei com um policial de nome Siqueira. Era bom companheiro, comandante, amigo etc. Contudo, tinha o péssimo hábito de retardar o retorno para sua casa ao final do expediente. Sempre arrumava quem o acompanhasse ao bar e de lá saía apenas quando o proprietário quisesse fechar o estabelecimento. Dependendo do dia, às vezes ainda entrava no primeiro que achasse aberto.

Em pouco tempo todo o quartel já sabia da sua conduta. Em algumas poucas ocasiões sua esposa e algum dos filhos o acompanharam, na intenção de conseguir leva-lo mais cedo pra casa. Contudo, a cada dia ficava mais complicada a sua situação em relação à bebida. Resultado, aos quarenta anos de idade faleceu.

A mensagem contida nessa canção é o meu alerta ao companheiro que displicentemente começa relacionar-se com qualquer tipo de droga, lícita ou não. Tenha força de vontade e queira-se, mesmo que não queira.

OUÇA a música Soldado Se Queira no primeiro ninja ao lado. É a sétima canção.

obs-1. Clique na letra da música para aumentar o tamanho.

obs-2. Posterior a essa postagem, fiz um clip da música. Veja abaixo

video

Tentativa de assalto termina em tiroteio e deixa mortos em Belém (PA)

Assaltante e policial foram mortos na troca de tiros

Do JR




Dois assaltantes fizeram uma mulher como refém na região central de Belém, no Pará, nesta quinta-feira (17). Houve um tiroteio e um policial militar e um assaltante morreram.

A refém, outros dois policiais e um pedestre também ficaram feridos. O outro assaltante conseguiu fugir.

Os policiais realizaram um cerco envolto dos assaltantes, que começaram a atirar contra a PM. A refém levou uma coronhada e um tiro de raspão no braço. O policial que morreu tinha 38 anos e trabalhava há 15 anos na PM.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Custe o que custar

Como o próprio nome sugere, o programa de humor CQC, da TV Bandeirantes, não se preocupa com a forma que vai conseguir sua audiência. O que lamentamos é que quase sempre os risos que provocam custam prejuízos para a imagem de alguém.

Recentemente foi ao ar uma “matéria” feita por um dos integrantes da equipe, de nome Danilo Gentili, em que ele “averiguava” uma lei colocada em pratica na cidade de Assis, interior de São Paulo.


Com a chegada dos PMs, ele dificultou tudo que podia, exatamente para que houvesse uma condução à delegacia e, assim, fazer o “teatrinho” de que estava sendo agredido pelos policiais.


No momento da prisão ele mostrou um dedo ereto, fazendo um gesto obsceno para os policiais, mas disfarçou dizendo “foi justo esse aqui que voce machucou”.


Como policial militar, repudio a conduta de Danilo Gentili que se prestou a fazer o papel de um mau caráter e desrespeitar não apenas dois colegas, mas toda nossa instituição.


Para manter o seu emprego, não hesitou em aviltar os pais de famílias ali representados na figura daqueles policiais.


Confesso que a minha indignação é tão grande que, diferente da dissimulação irônica de Danilo, finalizo objetivamente dizendo: Você é um palhaço!!!! Um idiota!!!! Um Imbecil!!!



Veja toda a matéria AQUI no blog Diário de um PM

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

PRONASCI


Há 40 anos, as principais estratégias de segurança pública para combater o crime são a repressão e o aparelhamento da polícia. A valorização do profissional de segurança pública sempre esteve em segundo plano, até agora!


Desenvolvido pelo Ministério da Justiça, o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania –PRONASCI – articula os governos federal, estadual, municipal e a população para integrar políticas de segurança pública e a ações sociais.


Os profissionais de segurança pública também têm papel de destaque no programa.


Dentre os 94 projetos, estão iniciativas desenvolvidas especificamente para o setor dos profissionais da segurança pública, visando valorizar e estimular os profissionais para uma ação mais cidadã.


Conheça alguns dos projetos desenvolvidos, para você, profissional tão importante para a segurança pública nacional:


Bolsa Formação – Os profissionais receberão novos estímulos para estudar e atuar junto às comunidades. Policiais civis e militares, bombeiros, peritos e agentes penitenciários de baixa renda terão acesso a uma bolsa de até R$ 400,00.


Formação Policial - A qualificação das polícias inclui práticas de segurança-cidadã, como a utilização de tecnologias não letais, técnicas de investigação, sistema de comando de incidente, perícia balística, DNA forense, medicina legal, direitos humanos, entre outros. Os cursos serão oferecidos pela Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública (Renaesp), e ainda em tele centros para educação à distância.


Plano Nacional de Habitação para Profissionais de Segurança Pública - A categoria também poderá contar com o Plano Nacional de Habitação para Profissionais de Segurança Pública, com o apoio da Caixa Econômica Federal. Serão disponibilizadas unidades populares para servidores de baixa renda, que recebam até quatro salários mínimos e a cartas de crédito para a compra da casa própria, no valor de até R$ 50 mil, para aqueles que recebam até R$ 4,9 mil.


Lei Orgânica das Polícias Civis - A legislação vai unificar estrutura, funções e procedimentos das polícias civis de todo o país, promovendo a padronização da corporação.


Para garantir a realização das ações no país serão celebrados convênios, contratos, acordos e consórcios com estados, municípios, organizações não-governamentais e organismos internacionais.


Confira mais informações no http://www.mj.gov.br/pronasci, inclusive animações super bacanas com depoimentos de quem já vivenciou as vantagens do projeto.

Compra digital


Álbum PROFISSÃO CORAGEM (Promoção)


Agora você tem mais uma opção para adquirir músicas do CD Profissão Coragem. É a venda digital, que pode ser adquirida por faixas ou todo o CD.


Apenas R$ 0,99 por faixa ou R$ 3,99 todo o álbum

Vantagens: É mais barato e não precisa esperar a entrega pelos Correios, o download é na hora.

* Leia a crítica feita pelo jornalista Gilberto Amendola, do Jornal da Tarde de São Paulo
.

Pra não dizer que não falou da polícia

Profissão Coragem, o CD do sargento Lago, não é confortável de se ouvir. Não porque seja ruim. Nada disso. Lago tem uma voz ‘ok’ e a produção é bem caprichada. Além disso, artistas de peso participaram do projeto, como Dominguinhos, Benito di Paula, Jair Rodrigues, Marcinho Art, o grupo Planta e Raiz e outros. O principal arranjador do disco é Pelezinho, nome conhecido no mundo do pagode.

O que incomoda o ouvinte civil (que não é policial ou parente de um) é o discurso pró-policia. É como se Lago subvertesse a música de protesto dos anos 60/70 e do rap dos dias atuais. Em vez de crítica, elogios ao aparato policial. Isso é um problema? Talvez não. Mas, convenhamos, é um preconceito difícil de se vencer.

O teste de fogo é a versão de Pra não dizer que não falei das flores. Nem adianta dizer do estranhamento de ouvir um policial cantando um dos hinos da esquerda contra a ditadura militar. O próprio Vandré, arredio a homenagens, gostou da versão.

O rap PM Bom de Bola deve doer no ouvido dos manos. A faixa parece feita por um Marcelo D2 careta e deslocado. Não cola. Sou Gambé, com a participação do planta e Raiz, pega pesado no verso “Eu sou corintiano, mas não sou maconheiro/Eu curto Bob Marley, mas não sou maconheiro...”

Em Soldado Se Queira, chama atenção a história de um policial que cai na bebida e nas drogas: “Seus planos agora foram esquecidos/Diluiu pelo ralo o que era pros filhos/Ganhou eloqüência pelo grau etílico/Mas sem o bom senso ficou tão ridículo...”

Uma curiosidade sobre o disco é como Lago conheceu o principal arranjador do seu trabalho, o Pelezinho: durante uma batida policial. “Foi uma coisa de rotina. Na hora, reconheci o cara.”


COMPRE JÁ!

domingo, 13 de dezembro de 2009

Honestidade


O que fazer num domingo chuvoso? Geralmente esperamos o almoço, assistimos um pouco de TV até bater aquele soninho e depois tiramos um cochilo gostoso.


Hoje foi diferente. Acompanhei mulher e filha até uma loja com promoções. Como não tive paciência de esperar, as deixei fazendo compras e fui a um restaurante próximo tomar alguma coisa.


Como o tempo passava vagarosamente, ocupei-me de observar o comportamento dos funcionários e dos freqüentadores do estabelecimento.


Certo momento um dos cozinheiros foi até o livro de ponto marcar a sua saída. Ninguém o fiscalizava. Ele também não percebeu que eu estava acompanhando seus atos. Objetivamente olhou para o relógio e assinalou no ponto 15h51min.


Logo que ele saiu fiquei imaginando. Ou estava saindo alguns minutos mais cedo ou mais tarde. Seja qual for a situação, geralmente as pessoas são seduzidas a arredondar.


Admirei a atitude daquele homem. Na verdade, o que motivou a minha admiração é que vivemos num mundo com tanta desonestidade que até nos orgulhamos de sermos honestos.