segunda-feira, 21 de junho de 2010

Matar, roubar e destruir


A prevenção sempre foi o melhor caminho. Cada vez mais as noticias que recebemos nos mostram essa verdade. Por outro lado, combater as conseqüências é enxugar gelo. Peço desculpas aos meus leitores, mas tenho que ser repetitivo, pois os acontecimentos também se repetem em freqüência maior que a tolerável.

Desta vez a notícia deu no Fantástico (Rede Globo). O envolvimento de policiais com traficantes, com imagens do flagrante da corrupção, no momento em que o cabo Eldo Zanardi recebe um pacote com o dinheiro do suborno.

Para minha tristeza e decepção, o policial é um conhecido meu. Trabalhamos juntos, de 1998 a 2000, na ROTAC, em Campinas/SP. Destacava-se pela eficiência na atividade policial, era referendado pelo sargento Odílio, um dos grandes amigos que conquistei na cidade e na vida.

Para entender a importância do aval do Odílio, tratava-se de um excelente policial que, com seu poder de liderança e habilidade profissional, comandava um grupo. Conquistou a minha admiração logo quando cheguei, na condição de mais antigo para ocupar o seu lugar, além de mantê-lo sob meu comando. Com a camaradagem de um grande profissional, tornou a transição um processo confortável e assessorou-me na tomada de decisões que afetaria o grupo. Assim, transferiu o prestígio que ostentava perante a tropa pra mim. E seus amigos tornaram-se meus amigos.

Pois é. Odílio gostava de trabalhar com o cabo Zanardi, por considerá-lo um policial determinado e eficiente em suas atuações. E juntos conseguiram grandes feitos. Por outro lado, por ser uma cidade grande, mas com tradições interioranas, as relações também se estendiam para o convívio familiar.

Não sei se por coincidência, mas vou me permitir a imaginação, o agora subtenente Odílio aposentou-se recentemente e Zanardi, para decepção de todos nós, deixou de ser o bom policial para ser um corrupto. Foi o que disse no texto “Uma questão de reciprocidade”. Os maus profissionais buscando nos meios ilícitos a motivação que não têm para o bem.

O meu conflito é saber: Zanardi era bom e se perdeu ou sempre foi ruim, mas sofria os reflexos das boas referências e por isso não obedecia a seu mau instinto? Seja qual for a resposta, penso que se houvesse na polícia um serviço na área psicológica que, nos moldes do serviço de inteligência, infiltrasse profissionais especializados na tropa para detectar as mudanças de comportamento e, antes que o policial produzisse o resultado que sua mudança de comportamento estava indicando, fosse encaminhado para o setor apropriado para ser tratado na sua saúde mental, essas frustrações que minam as nossas esperanças talvez se tornariam celebrações.

A Bíblia, livro sagrado dos cristãos, diz que: “o diabo veio para matar, roubar e destruir”. Compete à polícia o papel de impedi-lo.

7 comentários:

  1. Minha nossa! Nunca li um texto seu que mexesse comigo tanto quanto esse. Deus me livre e guarde de ver um colega chegado meu nessa situação.

    A gente tem que ter uma base boa. Um boa formação familiar. Tem que ter fé em Deus pra resistir a essas investidas inimigas.

    Quequeéisso!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Pois é, novinha. Não bastassem todas agruras da profissão, ainda temos essas decepções.

    Lamentamos pela família do ser humano que fracassou e, porque não dizer, pelo próprio e também pela instituição, pois o prejuízo da sua imagem afeta mulhares de excelentes profissionais.

    ResponderExcluir
  3. Nossa fico arrasada quando vejo estas noticias. A minha alegria é ver meus irmão os tres na policia e honestos e acredito que nao são os unicos existem muitos outros.
    Beijos a todos

    ResponderExcluir
  4. Sempre vi no Zanardi uma pessoa exelente. Nao consigo ve-lo de outra maneira,sempre pronto a ajudar.
    Nao vou critica-lo jamais, somos todos passivos de erros.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que estou torcendo para que surja uma notícia desmentindo tudo que foi dito na TV, pois o carinho e respeito que aprendemos nutrir pelo Zanardi foram conquistados com atitudes diferentes das anunciadas.

    ResponderExcluir
  6. Lago..primeiramente grande abraço! fiquei estupefato com esse qru, mas não me impressiono com mais ninguem, a policia e suas noticias boas ou más vão alem da compreensão de todos nós, ele Eldo tinha tudo pra não fazer parte disto, mas fez! se eu fosse falar tudo q qria esse blog não dá...lamento não conseguir traduzir em palavras meus pensamentos, mas contra fatos não há argumentos...abraço a todos...do Sd PM Cristiano FAZANI FT 35bpm/I

    ResponderExcluir
  7. Fazani, meu companheiro, não temos prazer no fracasso de um ser humano; lamentamos até pela vida do próprio criminoso "de carreira" que prendemos, contudo, embora seja muito difícil para todos nós, não podemos nos calar diante de uma - por que não dizer - traição dessas, mesmo porque temos bem definido o lado que escolhemos.

    Diferente do que parte da sociedade erroneamente avalia, embora tenhamos convivência com o profissional por muitos anos e por ele aprendemos nutrir carinho, respeito e admiração, quando ele comete erro de caráter não conseguimos passar a mão sobre a sua cabeça e fingir que nada aconteceu, porque é uma atitude totalmente contrária a nossa natureza policial.

    Se o nosso irmão Zanardi precisar de ajuda para retomar o bom caminho estaremos prontos a ajudá-lo, desde que, uma vez condenado, pague o que deve à justiça.

    Parabéns pela sua coragem de externar sua indignação. Quem te conhece e sabe da proximidade que tens com o Zanardi pode avaliar o quanto te custa isso e o quanto é dolorosa essa postura. Sem contar as críticas que deves receber de indecisos morais que se escondem na pele de solidários.

    Grande abraço, irmão!

    ResponderExcluir